segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

uma forma de escrita

"... coloco aspas e reticências... um hábito já muito antigo quando quero viajar pelas palavras nem que seja para vos desejar uma boa semana de trabalho... tento, dessa forma, pairar sobre elas na procura das letras que formem palavras... pairo sobre as vogais e as consoantes e demoro-me na procura das frases, das orações, dos pronomes, dos adjectivos, dos verbos e das verbalizações... concebo ainda a existência das vírgulas, dos pontos, de exclamações e por vezes coloco também uma ou outra interrogação... passo ainda pelos advérbios, pelas conjunções, pelos acentos circunflexos, agudos e em algumas vezes os graves... utilizo ainda as palavras que contenham hífen e quase nunca as que possuem tremas... dou uma olhadela pela possível utilização dos números ou dos algarismos, mas raramente... aproximo-me ainda dos galicismos ou de outras proveniências e tento, por ventura, fazer algum sentido com toda esta amálgama de fonemas, ditongos ou quem sabe ainda se também pelas amorfas e pelas átonas... o que quer que elas sejam, elas ficam aqui impressas num exercício renovado de prazer em as escrever e depois as ler... depois desta viagem, pouso a escrita com mais umas reticências e fecho a porta com mais umas aspas..."

4 comentários:

LNeves disse...

adoro o uso das reticências... Dá uma sensação de divagação!

***MUAH*** e boa semana

isabel mendes ferreira disse...

passo ainda pelos advérbios, pelas conjunções, pelos acentos circunflexos, agudos e em algumas vezes os graves... utilizo ainda as palavras que contenham hífen e quase nunca as que possuem tremas...
_______________.______________
absolutamente belo. belíssimo. sem aspas!!!!!


beijo.

Bel disse...

Lindo!!! só mesmo um lobo para fazer tal percurso

Ana disse...

Há quanto tempo não te lia. Encontrei-te, de novo. Afinal, és o mesmo. A mesma força que as consoantes traduzem, as mesmas vogais, a ternura dos advérbios. Recordava a leveza de cada adjectivo, a sonoridade dos ditongos. Fiquei presa à memória das exclamações, à certeza dos pronomes.
Como é possível que nem as reticências tivesse esquecido?
Saio, mas voltarei, mesmo que feches a porta com mais umas aspas.
Um beijo para um lobo.